Preparando-se para a Campanha eleitoral Tânia Pimentel se afasta dentro do prazo previsto por lei segundo o TSE


Magistrados, defensores públicos, secretários estaduais e municipais que pretendem concorrer ao cargo de vereador nas eleições de outubro deste ano devem deixar das funções até este sábado (7), segundo o calendário eleitoral aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Por esse motivo a então pré-candidata a vereadora Tânia Pimentel deixou seu cargo de chefe de gabinete da prefeitura Municipal de Conde, para concorrer á uma das 11 vagas na Câmara Municipal nas eleições desse ano. Tâninha como era chamada no gabinete do prefeito, desempenhou seu papel enquanto estava na chefia de gabinete. em entrevistas passadas ao estinto Blog do Jairo Silva, ele disse que manifestou na mesma o desejo de concorrer ao cargo de vereadora na Casa Cícero Leite, já que faz muito tempo que não é eleita uma mulher na Câmara de Conde.
Com o apoio do prefeito de Conde Aluisio Regis e com uma otima popularidade com os eleitores do sexo feminino, a pré-candidata tem boas chances conseguir uma cadeira na Câmara Municipal no pleito desse ano.

Saiba Mais:

A exigência também vale para governadores que, eventualmente, queiram concorrer à prefeitura. A norma diz que a desimcompatibilização do cargo deve ocorrer seis meses antes da eleição, sob pena de que o futuro candidato seja declarado inelegível.
Para os pré-candidatos que pretendem disputar os cargos de prefeitura, o prazo limite é de quatro meses antes do pleito, o que ocorrerá no dia 7 de junho. Se enquadram nessa regra ministros de Estado, membros do Ministério Público, militares, os que ocupam a presidência, a diretoria ou a superintendência de autarquia ou empresa pública. Chefes de órgãos de assessoramento direto, civil e militar da Presidência da República e dirigentes sindicais também precisam interromper as funções.


De acordo com o TSE, a data para que os pré-candidatos deixem cargos, no caso das eleições municipais, varia de três a seis meses anteriores às eleições. No dia 7 de julho, servidores públicos em geral que pretendem concorrer a prefeituras Há ainda situações nas quais não há necessidade de interromper as funções. É o caso dos prefeitos que estão exercendo o primeiro mandato e vão concorrer à reeleição e dos parlamentares federais, estaduais e municipais interessados em disputar prefeituras. Essa regra também vale para profissionais cujo trabalho pressupõe exposição na mídia, como atores e jogadores de futebol.

J1/Informações