Supremo Tribunal Federal pretende julgar o caso em agosto, cinco anos após a polêmica explodir no Congresso. Em maio de 2005, o ex-funcionário dos Correios Maurício Marinho aparece em um vídeo negociando propina com empresas interessadas em participar de licitações do governo. Aberta a CPI dos Correios no mês seguinte, ele é um dos primeiros convocados a falar.
Em maio de 2005, o ex-funcionário dos Correios Maurício Marinho aparece em um vídeo negociando propina com empresas interessadas em participar de licitações do governo. Aberta a CPI dos Correios no mês seguinte, ele é um dos primeiros convocados a falar.Ainda na CPI dos Correios, o então dep. federal Roberto Jefferson (PTB-RJ), que tinha ligações com Marinho, dá o estopim ao escândalo do mensalão acusando líderes e dirigentes do PL e do PP de receberem mesada do PT em troca de apoio no Congresso.
Ainda na CPI dos Correios, o então dep. federal Roberto Jefferson (PTB-RJ), que tinha ligações com Marinho, dá o estopim ao escândalo do mensalão acusando líderes e dirigentes do PL e do PP de receberem mesada do PT em troca de apoio no Congresso.A denúncia do presidente do PTB envolve o então ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, braço direito de Lula. Jefferson o aconselha a deixar o cargo ('Sai daí, Zé. Sai logo'), o que acaba se cumprindo dias depois. Na foto, Dirceu anuncia sua renúncia.
A denúncia do presidente do PTB envolve o então ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, braço direito de Lula. Jefferson o aconselha a deixar o cargo ('Sai daí, Zé. Sai logo'), o que acaba se cumprindo dias depois. Na foto, Dirceu anuncia sua renúncia.Secretária de Marcos Valério, Fernanda Karina Sommagio diz em entrevista que havia grandes saques de dinheiro sempre que o chefe ia a Brasília, e que ela marcava encontros de Valério com líderes do PT. Ao depor, nega saber se o dinheiro vinha de estatais.
Secretária de Marcos Valério, Fernanda Karina Sommagio diz em entrevista que havia grandes saques de dinheiro sempre que o chefe ia a Brasília, e que ela marcava encontros de Valério com líderes do PT. Ao depor, nega saber se o dinheiro vinha de estatais.Com a saída de Dirceu, a então ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, assume a Casa Civil. Inicialmente, as denúncias de Jefferson inocentavam o presidente Lula, dizendo que ele até chorou quando foi informado sobre o esquema pelo deputado.
Com a saída de Dirceu, a então ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, assume a Casa Civil. Inicialmente, as denúncias de Jefferson inocentavam o presidente Lula, dizendo que ele até chorou quando foi informado sobre o esquema pelo deputado.Também citado como um dos envolvidos, Luiz Gushiken tem o status da pasta sob seu comando (Comunicação de Governo) rebaixada de ministério a secretaria, mas é mantido no cargo. Mais tarde, acaba pedindo demissão.
Também citado como um dos envolvidos, Luiz Gushiken tem o status da pasta sob seu comando (Comunicação de Governo) rebaixada de ministério a secretaria, mas é mantido no cargo. Mais tarde, acaba pedindo demissão.Delúbio Soares (foto), tesoureiro do PT, tem os sigilos bancário, fiscal e telefônico quebrados, ao lado de Roberto Jefferson, José Genoino e José Dirceu. Com os indícios da participação de Delúbio no esquema, o PT decide em outubro expulsá-lo do partido.
Delúbio Soares (foto), tesoureiro do PT, tem os sigilos bancário, fiscal e telefônico quebrados, ao lado de Roberto Jefferson, José Genoino e José Dirceu. Com os indícios da participação de Delúbio no esquema, o PT decide em outubro expulsá-lo do partido.O então presidente do PT, José Genoino, também aparece ligado ao esquema. Ele anuncia o afastamento da liderança do partido em 9 de julho de 2005.
O então presidente do PT, José Genoino, também aparece ligado ao esquema. Ele anuncia o afastamento da liderança do partido em 9 de julho de 2005. Chamado para depor, o publicitário Duda Mendonça confessa que abriu uma conta nas Bahamas para receber R$ 10,5 milhões do PT. Ele foi o responsável por campanhas do partido em 2002, incluindo a de Luiz Inácio Lula da Silva.
Chamado para depor, o publicitário Duda Mendonça confessa que abriu uma conta nas Bahamas para receber R$ 10,5 milhões do PT. Ele foi o responsável por campanhas do partido em 2002, incluindo a de Luiz Inácio Lula da Silva. Em 12 de agosto de 2005, o presidente fala em discurso televisionado à população e afirma que 'o PT tem que pedir desculpas. O governo, onde errou, tem que pedir desculpas', atribuindo ao partido apenas o crime 'menor' de formação de caixa 2 em campanha.
Em 12 de agosto de 2005, o presidente fala em discurso televisionado à população e afirma que 'o PT tem que pedir desculpas. O governo, onde errou, tem que pedir desculpas', atribuindo ao partido apenas o crime 'menor' de formação de caixa 2 em campanha.Silvio Pereira, secretário-geral do PT, deixa a legenda após assumir que ganhou um jipe Land Rover como presente de uma fornecedora da Petrobras. Em entrevista meses depois, ele afirma que toda a executiva nacional do PT sabia do esquema.
Silvio Pereira, secretário-geral do PT, deixa a legenda após assumir que ganhou um jipe Land Rover como presente de uma fornecedora da Petrobras. Em entrevista meses depois, ele afirma que toda a executiva nacional do PT sabia do esquema. Valdemar Costa Neto, que ocupava a presidência do PL, narra em entrevista um encontro em Brasília para tratar do repasse de dinheiro para o PL (que teria bancado o apoio e a definição de José Alencar como vice). Lula estava presente, diz Neto.
Valdemar Costa Neto, que ocupava a presidência do PL, narra em entrevista um encontro em Brasília para tratar do repasse de dinheiro para o PL (que teria bancado o apoio e a definição de José Alencar como vice). Lula estava presente, diz Neto. Valdemar Costa Neto foi o primeiro parlamentar a renunciar devido ao escândalo, e foi seguido posteriormente por outros três. Um deles foi Paulo Rocha (PT-SP) (foto), que era o dono do apartamento onde teria ocorrido a reunião citada po Neto.
Valdemar Costa Neto foi o primeiro parlamentar a renunciar devido ao escândalo, e foi seguido posteriormente por outros três. Um deles foi Paulo Rocha (PT-SP) (foto), que era o dono do apartamento onde teria ocorrido a reunião citada po Neto.A maioria dos culpados apontados pela CPI do Mensalão é absolvida até o fim de 2006, entre eles João Magno (PT-MG). Sua não-cassação motivou a polêmica comemoração da colega Ângela Guadagnin (PT-SP) no plenário, que acabou apelidada de 'dança da pizza'.
A maioria dos culpados apontados pela CPI do Mensalão é absolvida até o fim de 2006, entre eles João Magno (PT-MG). Sua não-cassação motivou a polêmica comemoração da colega Ângela Guadagnin (PT-SP) no plenário, que acabou apelidada de 'dança da pizza'. Em abril de 2006, o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, apresenta denúncias contra 40 pessoas no esquema do Mensalão, e as encaminha ao STF. As 2 imagens seguintes mostram eles, com exceção de Anita Leocádia, Antonio Lamas e Geiza Dias.
Em abril de 2006, o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, apresenta denúncias contra 40 pessoas no esquema do Mensalão, e as encaminha ao STF. As 2 imagens seguintes mostram eles, com exceção de Anita Leocádia, Antonio Lamas e Geiza Dias. Lista de acusados transformados em réus do caso do mensalão no STF. *O ex-deputado José Janene, que era líder do PP, faleceu aos 55 anos em setembro de 2010 em São Paulo, onde aguardava transplante de coração.
Lista de acusados transformados em réus do caso do mensalão no STF. *O ex-deputado José Janene, que era líder do PP, faleceu aos 55 anos em setembro de 2010 em São Paulo, onde aguardava transplante de coração. Lista de acusados transformados em réus do caso do mensalão no STF. *Sílvio Pereira, ex-secretário-geral do PT, se livrou da acusação de formação de quadrilha e foi tirado da lista de réus ao conseguir um acordo com a Justiça, com serviço comunitário.
Lista de acusados transformados em réus do caso do mensalão no STF. *Sílvio Pereira, ex-secretário-geral do PT, se livrou da acusação de formação de quadrilha e foi tirado da lista de réus ao conseguir um acordo com a Justiça, com serviço comunitário.O ministro Joaquim Barbosa, relator do caso no Supremo, entrega em agosto de 2007 seu relatório sobre a acusação dos 40 integrantes do esquema. O STF acata e transforma os acusados em réus.
O ministro Joaquim Barbosa, relator do caso no Supremo, entrega em agosto de 2007 seu relatório sobre a acusação dos 40 integrantes do esquema. O STF acata e transforma os acusados em réus.