A operação Squadre desarticulou um grupo de extermínio que atuava na capital e em municípios da Grande João Pessoa
  
Subiu para 40 o número de presos na Operação Squadre, desencadeada na última sexta-feira pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público da Paraíba. Ontem, se apresentou à polícia o gerente da empresa Fator, que fazia segurança privada clandestina e era comandada pelo major da Polícia Militar, Gutenberg Nascimento e seu irmão Neubon Nascimento. O superintendente da PF, Marcello Diniz Cordeiro, informou que a milícia fazia segurança para grandes empresas e rede de supermercados e que os empresários serão ouvidos para esclarecimentos. Faltam cumprir cinco mandados de prisão. Ontem, a PF divulgou os nomes alguns presos na operação.      
 
Segundo Marcello, os alvos principais da operação foram presos e até ontem nenhum havia sido liberado. O prazo das prisões provisórias termina esta semana, porém o delegado da PF, Milton Neves, responsável pela investigação, pode pedir prorrogação para mais cinco dias (30 presos estão nessa situação). Ao todo, são 24 policiais militares e civis presos. “Faltam cinco pessoas se apresentarem, um cabo da Polícia Militar e quatro da Polícia Civil, envolvidas nas milícias que praticavam extorsão e ofereciam segurança clandestina. Do grupo de extermínio estão todos presos”, informou.
 
A operação Squadre desarticulou um grupo de extermínio que atuava na capital e em municípios da Grande João Pessoa. Integravam o grupo o subtenente da Polícia Militar Olinaldo Vitório Max, o sargento Erivaldo Batista – respondeu judicialmente por seis homicídios e foi inocentado pelo júri – e o cabo Vítor Padro Freire.

 

1) Extermínio

 
Grupo matava em troca de algum tipo de favor, dinheiro ou alguma coisa que os compensassem de alguma maneira. O valor dependia da situação, mas havia também troca de favores. O grupo é suspeito da morte de “Betinho”, ex-presidiário que era procurado pela polícia e do cabo da PM, A. Santos. Todos estão presos preventivamente (mínimo 30 dias). Um deles, inclusive, tinha participação na venda ilegal de medicamentos. Os integrantes presidiários do PB-1 informavam os alvos a serem eliminados aos integrantes soltos.
 

Fazem parte: 

 
Ismael Porto do Nascimento (conhecido como Domel presidiário considerado de alta periculosidade);
 
Leonardo José Soares da Silva (presidiário conhecido como Leo)
 
Ednaldo Silva dos Santos (presidiário conhecido como Naldinho que tem estreita ligação com Vítor)
 
Andrilson Luiz de Lima
 
José Rodrigues da Silva (conhecido como Museu, agente da Polícia Civil)
 
Vítor Prado Freire (cabo da PM conhecido como Cabelo. Ameaçou o secretário de Segurança Cláudio Lima)
 
Elinaldo Vitório Max (subtenente da PM)
 
Erivaldo Batista (sargento da PM, já respondeu por seis homicídios e foi inocentado pelo júri. A PF vai investigar ligação do grupo com o júri).

 

2) Segurança privada

 
Grupo mantinha a empresa Fator, que é legalizada na Polícia Federal, mas usava civis armados e sem preparação para fazer a segurança de empresas e estabelecimentos comerciais. O grupo também tem envolvimento com a compra e venda de armas e munições, prática comum nas três milícias.

 

Fazem parte:

 
Gutenberg Nascimento (major da PM)
 
Neubon de Lima Nascimento (capitão da PM e irmão de major Gutenberg)
 
Jackson Barreto dos Santos (sargento)
 
Josinaldo (gerente da empresa Fator)

 

3) EXTORSÃO E ROUBO
 
Grupo extorquia dinheiro de traficantes, assaltantes de banco e outros criminosos.

 

Fazem parte:

 
César Batista Dias (agente da PC)
 
Esdras Almeida de Oliveira (agente)
 
Lúcio Flávio de Almeida de Lima (agente)
 
Eduardo Jorge Ferreira (agente)
 
Milton Luiz da Silva (agente)
 
Edilson Araújo de Carvalho (delegado)
 
Alberto Jorge Dias (delegado)
 
Ednaldo Adolfo de Sousa (capitão da PM)
 
Gilberto (comissário)
 
José de Paula Cavalcanti
 
Júnior (agente penitenciário)

 

Empresa fecha nos Bancários

 
A reportagem esteve na manhã de ontem na sede da empresa Fator, no bairro dos Bancários. Um funcionário informou que não havia ninguém trabalhando. O superintendente da Polícia Federal, Marcello Diniz Cordeiro explicou que a empresa é registrada. “A empresa era cadastrada legalmente, tinha seu corpo de vigilantes cadastrados dentro da regularidade. Mas eles aproveitaram essa legalidade e regularidade e colocavam os clandestinos, ou seja, civis que eram armados sem nenhum preparo ou porte de arma. E a maioria não tinha curso de vigilante”, explanou.
 
A empresa fazia segurança privada para empresas como rede de supermercados e postos de gasolina. Marcello informou que os empresários também serão ouvidos para saber a origem dos contratos e onde conheceram os seus serviços. O major Gutenberg Nascimento e seu irmão capitão Neubon Nascimento foram apontados como os ‘donos’ da empresa, que tinha mais de 200 funcionários, entre vigilantes, clandestinos, policiais militares e civis.
 
O grupo também tem envolvimento com a compra e venda de armas e munições.

  Preso não é do Detran

Ontem, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), José Vieira, informou que o homem preso na operação, identificado como Pablo, não é funcionário do departamento, mas prestavas serviços para a Corregedoria do órgão e que, ainda, seria informante da polícia. “Pablo não é e nunca foi funcionário do Detran, mas sim uma pessoa de confiança do corregedor Wallber Virgolino. Ele não tinha nenhum vínculo com o departamento. Os funcionários ficaram indignados porque o caso macula a imagem dos funcionários do órgão”, esclareceu.
 
O corregedor Wallber Virgolino confirmou que Pablo trabalhava no setor, porém como uma espécie de colaborador policial e que havia ajudado em algumas operações deflagradas pelo órgão. “Ele era um informante e colaborava com as investigações, mas ele não era funcionário da corregedoria, nem da minha confiança. Ele, como ex-proprietário de uma autoescola, prestou informações preciosas à Corregedoria. O que estão querendo é denegrir a imagem da Corregedoria. Essa ação não interfere no nosso trabalho. As investigações continuam”, esclareceu.
 
J1/190pb