A vitima apesar de viver em uma cadeira de rodas, era tido como “terror”,