Jefferson havia confessado o crime à polícia e à imprensa Ele alega ter confessado por medo da suposta verdadeira assassina.


Apesar de ter confessado à polícia e à imprensa que matou a estudante Fernanda Ellen, Jefferson Luiz Oliveira Soares negou o crime nesta segunda-feira (22) ao ser ouvido pela juíza Anna Carla Falcão da Cunha Lima no Fórum Criminal de João Pessoa. A menina foi assassinada em janeiro desde ano e se passaram três meses até que o corpo fosse encontrado. Jefferson argumentou que só confessou o latrocínio à polícia por medo de uma garota de programa, quem ele acusa de ser a verdadeira assassina, e seus “comparsas”.

O inquérito foi encerrado e o processo segue agora para o Ministério Público, que requereu diligências, e depois para a defesa apresentar as considerações finais. Só assim a magistrada vai proferir a sentença.
 Jefferson é suspeito da morte e ocultação de cadáver da estudante Fernanda Ellen. Além de ter negado o crime, Jefferson o atribuiu à garota de programa que estava de posse do celular da menina.

De acordo com a tese da defesa de Jefferson, ele estava tendo um caso com a garota de programa. No dia do crime, ele teria saído de casa à procura de drogas e quando voltou a garota de programa havia matado Fernanda Ellen para pegar o celular da menina e saiu da residência dele ameaçando-o, caso a delatasse. Depois de dois dias, Jefferson resolveu enterrar o corpo da menina, crime ao qual confessou diante da juíza Anna Carla.

A magistrada informou que a garota de programa é ré, paralelamente, em outro processo, de receptação de material roubado, no caso, o celular de Fernanda Ellen.



J1/G1/crédito fotos/ edição Portal J1