Em nota, o parlamentar disse que assessoria incluiu despesa no rol de ressarcimentos da Câmara por engano

Como disse um amigo meu ao falar sobre esse caso no Facebook, acho melhor nunca convidar o deputado Benjamin Maranhão (Solidariedade/PB) para almoçar na sua casa. O que esse cidadão, em tese, come não é brincadeira. Uma nota fiscal publicada (e já removida) no Portal da Transparência dá conta de que ele gastou R$ 1.495 em um almoço, pago com dinheiro da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), verba dada a deputados e senadores para que eles “cubram” os gastos de sua atividade.
Segundo o Congresso em Foco, que divulgou a informação, a despesa foi feita num dos restaurantes mais caros de Brasília, o Dom Francisco (ver imagem da nota fiscal abaixo). Mesmo assim, o valor é muito alto para o consumo de uma única pessoa. De acordo com Lúcio Big, o colunista do site responsável pela matéria, o prato mais caro lá é o Bacalhau na Brasa e custa R$ 199,80.

Questionada por Lúcio, a Câmara reconheceu uma “falha” ao cobrir esse gasto do deputado e solicitou a ele a devolução do dinheiro. Benjamin Maranhão respondeu ao caso por meio de nota à imprensa. Confira a íntegra abaixo:
"Em razão de matéria publicada na internet em 05/05/15, venho, primeiramente manifestar meu repúdio a seu teor, que considero tendenciosa, uma vez que, tão logo detectado o erro de minha assessoria em incluir indevidamente a referida despesa no rol daquelas passíveis de ressarcimento por parte da Câmara dos Deputados, teve a iniciativa de comunicar o fato e providenciar a devolução imediata da quantia envolvida, contrariamente à matéria veiculada, que tenta fazer parecer que a devolução foi feita de forma coercitiva, o que absolutamente não ocorreu . O erro foi detectado e ordenei que fosse corrigido de imediato, como acredito que deva proceder todo cidadão que paute sua conduta baseado na decência e na ética. Assim procuro conduzir meu mandato".